Como assim, Dr. Falci?: Tenho pedras nos rins: quanta água devo tomar?

Como assim, Dr. Falci?: Tenho pedras nos rins: quanta água devo tomar?

Por Renato Falci Jr.*


Todos já escutaram que tomar água faz bem para os rins. Atualmente, se somarmos com a difusão dessa informação nas páginas da Internet e mídias sociais, encontramos pessoas ingerindo volumes excessivos de líquidos. O aforisma "cuidado com os exageros" é válido para muitas coisas na vida e a ingestão de água não é exceção. Afinal, qual é o volume correto que se deve tomar?

Leia os artigos anteriores da coluna Como Assim, Dr. Falci?

Como são muitas as variáveis envolvidas, não existe uma resposta única. É necessário entender o funcionamento do organismo. Os rins filtram o sangue várias vezes ao dia e produzem quase 200 litros de filtrado do sangue (precursor da urina), que contém as substâncias que devem ser descartadas - conhecidas como escórias. Desse filtrado, os rins reabsorvem tudo o que é necessário ao organismo, principalmente a água, deixando nessa solução concentrada (a urina) apenas o que deve ser eliminado. Em pessoas normais, basta o volume aproximado de um litro de urina para que tudo seja eliminado.

Em situações mais extremas, os rins ainda conseguem cumprir seu papel com apenas 400 ml de urina por dia. Portanto, para manter o metabolismo adequado, o organismo não precisa eliminar grande volume de urina. Os rins são capazes de concentrar muito a urina, podendo deixá-la mais densa que o próprio sangue.

Mas a situação de quem produz cálculos (pedras) nos rins é outra. Nessas pessoas, existe uma desproporção de substâncias na urina, o que permite que algumas delas se precipitem, formando os cálculos. Estes indivíduos se beneficiam de diluir a urina, aumentando o seu volume. O ideal é que os formadores de pedras nos rins urinem dois litros por dia. Por isso, eles devem ingerir uma quantidade de líquidos maior que as demais pessoas. Mas essa quantidade depende de alguns fatores, como a estação do ano, a prática de atividades físicas, a idade, o sexo, o clima da região onde mora, entre outros. Por existirem tantas varíaveis que interferem na necessidade de água do organismo, fica difícil estabelecer um volume mínimo, mesmo que aproximado.

Uma medida simples para se ter ideia da hidratação do organismo é observar a cor da urina: quando a urina está bem clara, significa que o organismo está bem hidratado e com isso o volume de líquidos ingeridos está adequado. Já quando está amarelo forte, mais escura, pode significar que está bem concentrada e, nesta situação, deve-se aumentar a ingesta de líquidos. Não podemos esquecer que o organismo tem seus mecanismos de controle muito precisos e, salvo em crianças pequenas e idosos, a sede é o melhor sinal da necessidade de água. Tomar sempre um pouco mais de líquidos do que a sede naturalmente pede é um bom hábito para quem tem pedras nos rins.

Finalmente, aproveito para advertir que ingerir volumes exagerados de líquidos, a ponto de produzir vários litros de urina, é prejudicial. Urinar frequentemente mais de dois litros por dia, além de não ter benefício, pode levar à perda de alguns sais que são importantes para o organismo.