Exames que salvam: conheça os preventivos para o coração

Exames que salvam: conheça os preventivos para o coração

A avaliação cardíaca precoce e regular pode detectar problemas e evitar a ocorrência de doenças do coração. Para isso, existem diversos tipos de exame, que serão solicitados pelo cardiologista considerando os sintomas apresentados, o histórico do paciente e outros fatores de risco envolvidos. Geralmente, a avaliação se inicia pelos testes mais simples e menos onerosos mas, conforme a gravidade de um caso, pode começar pelos exames mais complexos e detalhados. 

Para quem não desempenha atividade esportiva intensa, a avaliação deve começar aos 30, 35 anos. Quem não apresenta histórico familiar de doenças cardíacas pode iniciar aos 35 ou 40 anos.

Testes não-invasivos para detectar doenças cardiovasculares

Exames não-invasivos são realizados sem a inserção de agulhas, instrumentos ou fluidos no paciente. Não perturbam a integridade do corpo de forma alguma; portanto, não oferecem nenhum risco ao paciente. Os principais exames não-invasivos do coração são: ecocardiograma, teste ergométrico, tomografia, ressonância magnética, angiografia, eletrocardiograma, radiografia do tórax e holter.

1.    Ecocardiograma
Possibilita avaliar as medidas e a mobilidade das paredes das cavidades do coração, das válvulas, a velocidade e a direção do fluxo do sangue. Também permite ver como o coração contrai e relaxa. Analisa o pericárdio, revelando a presença ou não de derrames. Em resumo, faz uma avaliação da anatomia do coração, fornecendo dados para um diagnóstico evolutivo de doenças cardíacas.

2.    Teste de Ergométrico (Teste de Esforço)
É feito em esteira ou bicicleta para registrar a atividade elétrica do coração durante o esforço físico máximo. Também avalia o comportamento da pressão arterial e a aptidão física do paciente. É um dos mais usados para detectar arritmias e doenças de coronárias. Pode ser parte integrante de outros exames, como a cintilografia e o ecocardiograma.

3.    Tomografia do coração e vasos
Oferece imagens mais detalhadas do coração e é o principal exame para detectar obstruções de artérias e a probabilidade de doenças futuras baseando-se no índice de cálcio. Permite avaliar coronárias através de contraste com iodo e raios X (tomografia). É indicado, principalmente, quando há suspeita de doença coronária. 

4.    Ressonância Magnética (RM)
Diferente da tomografia, não usa energia ionizante; portanto, não é prejudicial para o organismo. Gera imagens de alta resolução que permitem uma boa observação do miocárdio ou de defeitos congênitos. É útil para diagnosticar doenças de aorta e do pericárdio ou tumores cardíacos. A ressonância magnética também pode ser usada para avaliar a morfologia das câmaras cardíacas, a função global ou regional dos ventrículos e a existência de regurgitações valvulares.

5.    Angiografia digital
É um exame que avalia os vasos do cérebro ou do coração para verificar a existência de obstruções ou diminuição de fluxo do sangue. Para isso, é a plicado um contraste na veia. O aparelho de RX é capaz de obter imagens muito rapidamente.

6.    Eletrocardiograma de repouso (ECG)
Serve para avaliar a parte elétrica do coração - que controla a contração das fibras musculares - e pode mostrar evidências do formato do órgão e algumas doenças. Com ele, é possível verificar o ritmo, a frequência dos batimentos e o impulso elétrico dentro do coração. É realizado com a pessoa em repouso, utilizando-se 12 eletrodos colocados nas pernas, braços e no tórax, na região do precórdio.

7.    Radiografia de tórax
A radiografia pode mostrar se há crescimento das cavidades ou de todo o coração. Uma anormalidade na forma ou do tamanho do coração, como depósitos de cálcio em válvulas cardíacas, é imediatamente observada. Além disso, revela alterações pulmonares ou vasculares, que podem ser causa ou consequência de uma doença cardiovascular. 

8.    Holter
Tem a mesma finalidade e funcionamento do eletrocardiograma, mas registra a atividade do coração por 24 horas. O paciente usa eletrodos ligados a uma pequena caixa que deve ser mantida com ele durante as atividades de rotina. A ideia é detectar arritmias e outros eventuais sintomas.

Testes invasivos para detectar doenças cardiovasculares

Os procedimentos invasivos são feitos com a introdução de um corpo estranho no paciente, seja uma simples agulha ou um cateter introduzido na veia. Os principais testes invasivos do coração são: ecografia, cintilografia e cateterismo.

1.    Ecografia transesofágica
É um tipo de ecocardiograma, mas feito através do esôfago, por um dispositivo semelhante ao aparelho de endoscopia. É introduzido pela boca e vai até o estômago, com o objetivo de avaliar o coração mais de perto. Permite uma avaliação mais detalhada das válvulas cardíacas e detecção de coágulos nos átrios.

2.    Cintilografia
Um material radioativo é injetado para aderir ao músculo do coração, em repouso e durante atividade física. O material "pinta" as áreas com fluxo normal de sangue, deixando sem pintar aquelas em que o fluxo é insuficiente. Revela zonas isquêmicas, como regiões infartadas, doenças infiltrativas do coração, bloqueios de ramo e miocardiopatias dilatadas.

3.    Cateterismo cardíaco
É um procedimento para avaliar a função do coração, visualizar coronárias e a presença de placas de gordura, avaliar alterações no funcionamento de válvulas e doenças congênitas. Um cateter é introduzido através da artéria até a aorta, atingindo o ventrículo esquerdo. Ali injeta-se um contraste para gerar imagens da cinecoronariografia. É o exame mais definitivo para o diagnóstico das doenças desses vasos.

Exames laboratoriais importantes para a saúde do coração

Exames do coração são solicitados pelo cardiologista, dependendo dos sintomas apresentados pelo paciente. No entanto, existem exames laboratoriais de rotina que devem ser feitos com mais frequência e revelam números importantes para a saúde do seu coração, como a taxas de colesterol, glicemia e triglicérides. Quando não controlados, são considerados fatores de risco para doenças cardiovasculares.

Valores de referência para Colesterol
A V Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose, da Sociedade Brasileira de Cardiologia, recomenda: LDL (colesterol ruim) abaixo de 160mg/dl (Desejável: entre 100-129 mg/dl);  HDL (colesterol bom) maior que 60 mg/dl; Colesterol total inferior a 240 mg/dl (Desejável: menor que 200 mg/dl).

Valores de referência para Diabetes
O nível de glicemia (açúcar) considerado normal é inferior a 100 mg/dl.  Pacientes com diabetes tipo 2 não tratada apresentam nível de glicose no sangue em jejum superior a 125 mg/dl.

Valores de referência para Triglicérides
Um nível alto de triglicérides é sinal de que a sua dieta precisa de atenção, mas também pode indicar um problema hereditário. Geralmente são elevados em pessoas com diabetes mal controlado ou problemas nos rins. Considera-se normal a taxa inferior a 150 mg/dL; alto entre 200 e 499 mg/dL ; e muito alto quando é igual ou superior a 500 mg/dL.