Incontinência urinária

O QUE É

A incontinência urinária é a perda involuntária da urina. Atualmente, está presente no dia a dia de aproximadamente 5% da população mundial e 10 milhões de brasileiros, incluindo homens, mulheres, idosos e esportistas.

Incontinência urinária em mulheres

Apesar de estar presente na vida de 10 milhões de brasileiros de todas as idades e sexos, a incontinência urinária é duas vezes mais comum no sexo feminino. Pesquisas apontam que 40% das mulheres com mais de 50 anos de idade apresentam algum nível de escape de urina. A disfunção é causada pela perda involuntária da urina, não necessariamente em grandes volumes. Pequenos escapes também podem acontecer normalmente.

Incontinência urinária masculina

Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia, a disfunção afeta cerca de 5% dos homens que são submetidos à cirurgia de próstata. Muitas pessoas acreditam que o problema se caracteriza somente quando há perda grande e incontrolável de urina, mas pequenos escapes diários também são caracterizados como incontinência.

Incontinência urinária em Idosos

Incontinência urinária é a dificuldade ou incapacidade de reter ou controlar a urina e normalmente é considerada equivocadamente pela família e pelos amigos como parte natural do envelhecimento. Embora ela também acometa idosos, a disfunção não é exclusivamente causada pela idade e pode estar presente em todas as fases da vida, como já mostramos acima.

Incontinência urinária em Esportistas

Mesmo quem pratica exercício físico pode desenvolver incontinência urinária, o que não quer dizer que é preciso abandonar as atividades por conta da perda involuntária de urina. Para isso, existem diversos produtos e tratamentos. A disfunção pode estar presente na vida de qualquer pessoa, independente da idade, sexo e da prática (ou não) de exercícios físicos.

 

SINTOMAS

Sintomas da Incontinência urinária em mulheres

O tipo de incontinência mais comum entre mulheres é a incontinência por estresse (ou por esforço). Isto é, aquela em que pequenas quantidades de urina são perdidas quando a mulher tosse, espirra, ri ou faz qualquer atividade repentina que aumente a pressão dentro do abdômen. Há também a incontinência por urgência (quando a vontade de urinar é forte e não dá tempo de chegar ao banheiro) e a incontinência mista (quando são associados dois ou mais tipos de incontinência).

Em Homens

Os principais tipos são: aumento da atividade da bexiga (bexiga hiperativa); incontinência urinária por esforço, quando o escape acontece por conta da pressão exercida na bexiga - como espirrar, tossir, dar risada, etc; a incontinência urinária por urgência, quando há uma vontade muito grande de urinar e não se consegue segurar. Por último, a incontinência mista, quando são associados dois ou mais tipos.

Em idosos

Incontinência urinária de esforço: surge quando não há força muscular pélvica suficiente para reter urina. Tosses, espirros, risadas, e qualquer esforço físico que force a musculatura da bexiga são suficientes para causar a perda involuntária. Incontinência urinária de urgência: caracterizada por vontades repentinas de urinar mesmo que a bexiga não esteja cheia, causando perda de urina antes mesmo que a pessoa chegue ao banheiro. Incontinência urinária mista: associa os dois outros tipos, tendo como sintoma mais significativo a incapacidade de controlar a perda de urina pela uretra.

Em Esportistas

O tipo de incontinência mais comum nos atletas é a incontinência urinária por esforço, que ocorre quando o atleta faz exercícios que forcem a musculatura da bexiga. Mas também existem outros tipos menos comuns, como a incontinência por urgência - que é quando se tem uma vontade muito grande de urinar e a pessoa não consegue segurar - e a incontinência mista, quando um ou dois tipos são associados.

 

FATORES DE RISCO

BEXIGA HIPERATIVA – Este termo é utilizado para pessoas que têm desejo súbito de urinar e dificuldade para controlar o xixi. São mais propensas a ter a incontinência urinária de urgência.

CONSEQUÊNCIA DE CIRURGIAS – Um dos tratamentos de tumores na próstata é a prostatectomia radical (remoção total da próstata).Tal cirurgia pode acarretar sequelas, como impotência sexual e incontinência urinária.

CONSTIPAÇÃO CONSTANTE – A constipação pode influenciar de maneira negativa o funcionamento da bexiga. Isso porque o intestino e a bexiga compartilham as mesmas conexões na medula espinhal.

DIABETES MELLITUS – A doença pode prejudicar o funcionamento dos nervos da bexiga devido ao acúmulo de sorbitol (que deriva do metabolismo da glicose).

DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO – O sistema nervoso controla o funcionamento de diversos órgãos, entre eles a bexiga. Quando há lesão na medula, a pessoa pode perder a capacidade de sentir a bexiga cheia.

INFECÇÃO URINÁRIA – Também conhecida como cistite, é possível que agrave a perda involuntária de urina. O tratamento pode melhorar ou curar a incontinência urinária.

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA – Gera retenção de líquidos durante o dia, causando inchaços nas extremidades do corpo. Ao deitar, esses líquidos são reabsorvidos e filtrados pelos rins, o que aumenta a necessidade de levantar à noite para urinar.

FRAQUEZA DE MÚSCULOS DA REGIÃO PÉLVICA E IDADE AVANÇADA – Os músculos da região pélvica ajudam a manter a continência urinária. Geralmente, os idosos sofrem o enfraquecimento dessa região, o que pode causar perda urinária e urgência miccional.

MEDICAMENTOS – Alguns medicamentos podem dificultar o esvaziamento da bexiga. Sendo assim, há retenção urinária crônica, podendo ocorrer a IU por transbordamento, causando gotejamento contínuo. Esse tipo de incontinência é mais comum em homens que sofrem de aumento da próstata e sentem dificuldade para esvaziar a bexiga.

OBESIDADE – Pessoas obesas geralmente têm o aumento da pressão intra-abdominal, podendo comprimir a bexiga e outros órgãos pélvicos. A perda de 5% do peso melhora a IU.

TABAGISMO – O uso de tabaco pode causar doença pulmonar obstrutiva crônica, ocasionando tosses fortes. Esse sintoma pode piorar a incontinência urinária.

 

PREVENÇÃO

CONTROLE E PREVINA A INCONTINÊNCIA URINÁRIA!

  • Controle a ingestão de líquidos à noite.
  • Regule os intervalos entre as idas do banheiro para urinar.
  • Tenha uma alimentação saudável com bastante fibras.
  • Realize atividade física e evite a obesidade.
  • Reconheça os fatores que causam a IU, como uso de remédios diuréticos ou problemas de locomoção em idosos.
  • Procure um fisioterapeuta pélvico para trabalhar o assoalho pélvico.

Não deixe que a IU atrapalhe sua vida. Procure um médico para identificar a condição e indicar o melhor tratamento. Existem hoje em dia no mercado diversos produtos, como fraldas, absorventes e roupas íntimas descartáveis que auxiliam a conviver com a incontinência urinária sem impactar o seu dia-a-dia, mantendo sua discrição, limpeza e conforto.

 

TRATAMENTO

Em mulheres

A linha de tratamento muda de acordo com o quadro clínico de cada paciente. É possível que uma mesma pessoa faça uma combinação de vários procedimentos para tratar a incontinência urinária. Os principais métodos são: treinamento da bexiga e exercícios do assoalho pélvico , medicamentos, cirurgias minimamente invasivas (implante de sling, esfíncter urinário artificial, marca-passo da bexiga e aplicação de toxina botulínica). Além dessas opções, existem diversos produtos no mercado - como fraldas, absorventes e roupa íntima -, que auxiliam a conviver com a incontinência urinária no dia a dia mantendo discrição, limpeza e conforto.

Em homens

A linha de tratamento muda de acordo com o quadro clínico de cada paciente. É possível que uma mesma pessoa faça uma combinação de vários procedimentos para tratar a incontinência urinária. Os principais métodos de tratamento são: treinamento da bexiga e exercícios do assoalho pélvico , medicamentos, cirurgias minimamente invasivas (implante de sling, esfíncter urinário artificial, marca-passo da bexiga e aplicação de toxina botulínica). Além dessas opções, existem diversos produtos no mercado - como fraldas, absorventes e roupa íntima -, que ajudam a conviver com a incontinência urinária no dia a dia mantendo discrição, limpeza e conforto.

Em idosos

A linha de tratamento muda de acordo com o quadro clínico de cada paciente. É possível que uma mesma pessoa combine vários procedimentos para tratar a incontinência urinária. Os principais métodos de tratamento são: Treinamento da bexiga e exercícios do assoalho pélvico, medicamentos, cirurgias minimamente invasivas (implante de sling, esfíncter urinário artificial, marca-passo da bexiga e aplicação de toxina botulínica). Além dessas opções, existem diversos produtos no mercado - como fraldas, absorventes e roupa íntima -, que auxiliam a conviver com a incontinência urinária no dia a dia mantendo sua discrição, limpeza e conforto.