compartilhar

< Voltar

Cuidadores do Brasil: Conheça o projeto

No domingo, dia 20 de março, foi celebrado o Dia do Cuidador de Idosos. O estudo Cuidadores do Brasil, realizado pelo Instituto Lado a Lado pela Vida em parceria com a Veja Saúde, apresenta as condições em que estes profissionais se encontram no país atualmente. Acima de tudo, esse grupo de pessoas dá suporte a milhares de brasileiros na realização das atividades cotidianas no enfrentamento de uma ou mais doenças.

Para debater as revelações feitas na pesquisa, a presidente do Instituto, Marlene Oliveira, foi entrevistada pela BandNews FM. Primeiramente, ela comentou sobre a base do estudo, feito com 2500 cuidadores. O grupo se divide em duas categorias: cuidadores profissionais e cuidadores familiares. A pesquisa mostra que 80% dos cuidadores se encaixam principalmente na segunda categoria. “São pessoas que muitas vezes deixaram de fazer suas tarefas para cuidar de alguém”, definiu Marlene.

Cuidadores do Brasil: Idosos cuidando de idosos

Um dos fatores que mais chamou atenção na pesquisa, de acordo com Marlene, é a quantidade de idosos cuidando de outros idosos. 59% dos cuidadores familiares têm 50 anos ou mais e 27%, ao menos 60 anos. “Quem está cuidando dessas pessoas?”, questionou Marlene. “Muitos estão com saúde física e mental fragilizadas. Não têm tempo de ter uma vida social, se cuidar. O país precisa ter um olhar para esses cuidadores, trazê-los para a luz do dia. Estamos saindo de uma pandemia – quantas pessoas estão dependendo de cuidador? Ninguém fala disso”.

Ser cuidador é uma grande responsabilidade, mas tem pouco respaldo profissional. De acordo com os dados, 78% dos cuidadores familiares não têm curso, nem são da área da saúde. A jornada de trabalho é diária para oito em cada dez familiares e muitos deles não têm com quem revezar.

Cuidadores do Brasil: Mulheres

Existe uma prevalência feminina na área de cuidadores. 83% das entrevistadas foram mulheres. “Mais uma vez você tem um número muito grande de mulheres assumindo essa função de cuidadora”, comentou Marlene. “[Alguém que] tinha uma história de vida profissional e que abriu mão para cuidar de alguém”.

Além disso, Marlene alertou que essas mulheres não estão preparadas para a função que acaba caindo em seus colos. Às vezes, elas não cuidam apenas de idosos, mas de um filho especial ou um familiar portador de doença rara. Esse trabalho não é remunerado nem reconhecido socialmente. “Essa pesquisa é para trazer luz a esse tema, mostrar para gestores que precisamos ter um olhar diferenciado. É um exército de seres invisíveis”, disse Marlene.

O número de cuidadores familiares tende só a aumentar. Dessa forma, se fazem necessárias políticas públicas adequadas para esse profissional – muitas vezes mau tratados e encarregados com toda a responsabilidade.

O projeto Cuidadores do Brasil ajuda a contribuir para que a jornada dos cuidadores – bem como a dos pacientes – seja também acompanhada e valorizada. Afinal, o Instituto Lado a Lado pela Vida quer mudar para valer o panorama da saúde do Brasil.

Ouça a entrevista na íntegra aqui e acesse a pesquisa completa aqui.

Ler mais sobre esse tema:

Nossa Agenda

03 a 26 Nov

Saúde do Homem

Exposição 10 anos Novembro Azul no Senado Federal

Local: Senado Federal / Redes Sociais LAL

Horário: A Confirmar