Consulta Pública avalia Protocolo e Diretrizes Terapêuticas para bexiga neurogênica

Consulta Pública avalia Protocolo e Diretrizes Terapêuticas para bexiga neurogênica

Documento em consulta pública é o primeiro elaborado especificamente para tratamento da doença. Sociedade pode enviar contribuições até 24 de agosto - Matéria publicada em 03 de agosto de 2020


Conitec - A Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) recebe contribuições da sociedade sobre a proposta de texto para o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) da Bexiga Neurogênica. A elaboração do documento é uma demanda do próprio Ministério da Saúde para orientar o tratamento, diagnóstico e acompanhamento de pacientes com a doença no Sistema Único de Saúde (SUS). Caso seja aprovado, esse será o primeiro PCDT destinado especificamente para tratamento da doença.

Clique aqui e participe da consulta pública. Prazo se encerra no dia 24 de agosto.

Apesar de não haver dados precisos sobre a quantidade de pacientes que vivem atualmente com a doença, estima-se que ela acomete 50,9% nos pacientes com esclerose múltipla, 52,3% naqueles com danos na coluna vertebral, 33,1% nos doentes de Parkinson e 23,6% na população com AVC.

Bexiga neurogênica

Bexiga neurogênica é o nome dado às disfunções na bexiga e do esfíncter urinário devido às doenças do sistema nervoso que afetam o controle do ato de urinar. Suas causas podem ter origens genéticas, lesões neurológicas ou traumáticas. Pacientes com a doença apresentam sintomas relacionados às dificuldades de armazenamento ou esvaziamento da urina, como o aumento da frequência e incontinência, fluxo urinário lento, além de necessidade de esforço durante a micção. Essas disfunções trazem impacto significativo na qualidade de vida, podendo causar constrangimento, isolamento social e prejudicar as atividades da vida diária.

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas

O texto em consulta pública orienta o tratamento adequado, baseado em diagnóstico preciso que deve ser realizado por meio da história clínica do paciente, considerando a existência ou não de doenças neurológicas ou traumas, além de exames físicos e complementares. O registro de dados sobre a ingestão de líquidos, a necessidade de urinar e eventuais perdas de urina, chamado de diário miccional, também são importantes para confirmar o diagnóstico.

O documento destaca a importância do tratamento comportamental e fisioterápico, com objetivo de educar o paciente e familiares sobre a disfunção neurogênica. Além disso, é importante o acompanhamento multiprofissional com médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos e outros profissionais de saúde.

O PCDT orienta sobre em quais condições é possível optar pelo cateterismo intermitente, para esvaziamento periódico da bexiga. Também traz recomendações sobre o tratamento cirúrgico e suas possíveis complicações, além do tratamento farmacológico. Leia aqui a proposta de texto.