compartilhar

< Voltar

Câncer do Sistema Nervoso Central

cancer

O que é?

O sistema nervoso central, conhecido entre os médicos pela sigla SNC, é formado pelo cérebro e pela medula espinhal. Responsável por coordenar todas as atividades do corpo humano, ele também está sujeito ao câncer.

Nove em cada dez tumores no sistema nervoso central surgem no cérebro, quando células anormais crescem excessivamente no local. Este câncer responde por 1,4 a 1,8% de todos os diagnósticos de câncer do mundo, de acordo com o INCA (Instituto Nacional do Câncer).

Sintomas

Há muitos sintomas de câncer no sistema nervoso central, mas o mais comum é a dor de cabeça. Mas não é qualquer dor de cabeça. A preocupação deve surgir somente quando ela surge em uma região onde nunca se sentiu desconforto, quando a intensidade e a frequência se agravam ou quando a dor surge sempre no mesmo local.

Em geral, crises convulsivas também representam um sinal de alerta para este câncer, principalmente quando o paciente nunca teve uma crise ou não tem diagnóstico prévio de epilepsia.

Por fim, a perda de funções neurológicas, como a falta de força ou de tato em alguma região do corpo, diminuição na visão ou na audição, além de alterações na fala ou na capacidade intelectual, são sintomas comuns para esta doença.

Fatores de risco

As causas do câncer do sistema nervoso central ainda estão sendo estudadas. O que é consenso entre os especialistas é que a doença é causada por uma série de alterações genéticas. Algumas surgem por predisposição hereditária, enquanto outras são adquiridas ao longo da vida.

Entre as atividades que aumentam o risco de tumores malignos na cabeça e na medula espinhal, destacam-se a exposição contínua à radiação ionizante, como estão sujeitos profissionais de saúde que trabalham com exames de imagem e pacientes que passam por radioterapia frequentemente.

Deficiências no sistema imunológico também é apontada por muitos pesquisadores como um sinal de risco, independentemente de sua origem – seja por infecção por HIV, o vírus da imunodeficiência humana, causador da Aids, ou até pelo uso excessivo de medicamentos e drogas.

Diagnóstico

Exames de imagem como a tomografia computadorizada e a ressonância magnética realizada com contraste estão entre os principais métodos utilizados pelos médicos para diagnosticar o câncer do sistema nervoso central.

Há outros, ainda, que investigam sintomas mais específicos, como a audiometria, que avalia a capacidade auditiva do paciente. Essa variedade de exames se dá por este câncer ser capaz de afetar, basicamente, o corpo todo.

Tratamento

O tratamento contra o câncer do sistema nervoso central envolve um atendimento médico multidisciplinar. Além de oncologistas e neurocirurgiões, são necessários fisioterapeutas, fonoaudiólogos e até nutricionistas.

O tumor normalmente é removido e encaminhado a um laboratório para a realização da biópsia. Através desse procedimento, é possível determinar características específicas do tumor e traçar um plano terapêutico adequado.

A partir de então, o oncologista normalmente opta por associar sessões de radioterapia à quimioterapia, para evitar que o tumor retirado ressurja na região ou até para reduzir algum que não foi possível retirar.

Prevenção

Até o momento, os especialistas dizem não existir recomendações sobre como se prevenir deste câncer. O que pode ser feito para evitar não só esta, mas qualquer doença, é levar uma vida saudável de modo geral.

Fonte de consulta

INCA – https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-do-sistema-nervoso-central

Pesquisa realizada em 25/6/2021