compartilhar

< Voltar

Endocardite e Miocardite

Doenças Cardiovasculares

O que são?

A endocardite e a miocardite são infecções no endocárdio, o revestimento interno do coração, e no miocárdio, uma camada de músculo responsável por contrair o coração e fazê-lo bombear o sangue para o corpo.

Estas duas doenças ocorrem quando bactérias ou germes de outras regiões do corpo, como as cáries dentárias, espalham-se pela corrente sanguínea e afetam o coração.

Se não forem tratadas, elas podem comprometer as válvulas cardíacas, que têm papel primordial na circulação sanguínea, além de insuficiência cardíaca, embolia pulmonar, infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral e insuficiência renal.

Sintomas

A endocardite e a miocardite podem surgir com sintomas graves logo no início ou progredir lentamente. Tudo depende do tipo de infecção que está causando a doença e das condições de saúde do paciente.

Entre os sintomas mais frequentes, estão febre, fadiga, palidez, dificuldade de respiração, sudorese noturna e dor muscular, além do surgimento de pontos vermelhos nos dedos que provocam dor, conhecidos como nódulos de Osler.

Diagnóstico

Há diversas maneiras de diagnosticar estas doenças. Em geral, os médicos avaliam os níveis de troponina do paciente, uma enzima que indica lesões cardíacas, e alterações no eletrocardiograma.

Em alguns casos, para confirmar o diagnóstico, é necessário fazer uma biópsia, processo que consiste na extração de um pequeno pedaço do tecido para análise laboratorial. Por ser um procedimento invasivo, porém, a realização não é frequente.

Fatores de risco

Pessoas com problemas nas válvulas cardíacas, principalmente má-formação congênita, correm mais risco de desenvolver endocardite e miocardite, assim como quem tem válvulas artificiais no coração, histórico de doença cardiovascular e cáries dentárias.

Tratamento

O tratamento é feito com uso de antibióticos para combater a infecção. Em alguns casos, o paciente precisa ser internado – por quatro semanas, em média – para que o medicamento seja aplicado de maneira intravenosa.

A duração do tratamento medicamentoso depende da gravidade da infecção e da resposta do organismo. Em alguns casos mais graves, pode haver a necessidade de uma cirurgia local.

Prevenção

Cuidados com a higiene bucal são fundamentais para reduzir o risco de desenvolver cáries e, consequentemente, a endocardite e a miocardite, já que as bactérias dos dentes podem chegar ao coração.

Outra recomendação dos especialistas é evitar procedimentos que possam desencadear quadros infecciosos, como tatuagens e piercings, e o uso de drogas injetáveis. Cortes na pele também devem ser tratados para prevenir infecções.

Fonte de pesquisa

Coração.Org, site afiliado à Sociedade Brasileira de Cardiologia – https://www.coracao.org.br

Pesquisa realizada em 28/6/2021