compartilhar

< Voltar

“Ouça seu Coração” foi o tema da Semana de Conscientização sobre Doenças das Válvulas Cardíacas de 2021

Iniciativa do Global Heart Hub para esclarecer a população de 18 países do mundo sobre as valvopatias, no Brasil, tem apoio do Instituto Lado a Lado pela Vida

A Semana de Conscientização sobre Doenças das Válvulas Cardíacas, ou valvopatias, é realizada anualmente pelo Global Heart Hub, e em 2021 aconteceu de 13 a 19 de setembro, com o tema “Ouça seu Coração”. Seu objetivo principal é conscientizar a sociedade para que fiquem atentos aos sinais das valvopatias, possíveis de serem detectados em exame com estetoscópio, além de orientar pacientes, familiares e cuidadores sobre tratamento e manejo das doenças valvares.

O Instituto Lado a Lado pela Vida (LAL) é a única organização brasileira afiliada ao Global Heart Hub e membro do Conselho de Pacientes com Doenças das Válvulas Cardíacas e tem tido destacada atuação na disseminação de informações e alertas sobre essa doença que, para muitos, ainda é desconhecida.

As valvopatias afetam as válvulas do coração causando principalmente um estreitamento (que limita o fluxo sanguíneo) ou regurgitação do sangue, ou ambos. A incidência dessas doenças é crescente entre a população com idade mais avançada, mas pode afetar jovens e crianças também, principalmente por sequela de febre reumática ou alguma característica congênita, que acompanha o indivíduo durante toda a vida, surgindo durante a sua gestação ou no momento do seu nascimento.

Dentre as valvopatias mais comuns, estão a estenose aórtica e mitral, regurgitação aórtica e mitral e o prolapso da válvula mitral. De acordo com o Global Heart Hub, em cada oito pessoas com mais de 75 anos, uma sofre de valvopatia moderada a grave. A estimativa é que o número de pessoas com doenças das válvulas cardíacas dobrará até 2040 e triplicará até 2060.

Independente da causa ou gravidade da doença, o diagnóstico das valvopatias somado ao acompanhamento médico são essenciais para reduzir a mortalidade, trazendo maior longevidade e qualidade de vida ao paciente.

Embora nem sempre se manifestem nos casos leves, os sintomas das doenças valvares incluem dor no peito, fadiga, palpitações, batimentos cardíacos irregulares e falta de ar. Esses e outros sinais devem ser informados ao médico para avaliação. Em alguns casos, além da ausculta do coração feita com estetoscópio, exames como ecocardiograma, eletrocardiograma ou cateterismo podem ser necessários para o diagnóstico.

As doenças valvares podem ser adquiridas ou congênitas. No Brasil, as mais prevalentes se desenvolvem por sequela da febre reumática, mas também podem ser causadas por doenças degenerativas e agravadas pelo envelhecimento.

Uma orientação importante é que os pacientes com diagnóstico de valvopatias sejam acompanhados por uma equipe multidisciplinar. Esse grupo de profissionais pode incluir cardiologista, pneumologista, geriatra, cirurgião cardíaco, nutricionista, radiologista, psicólogo e outros. Nos casos leves de doenças valvares, há indicação de medicamentos para manter os sintomas sob controle.

Para pacientes com condições mais graves, as opções de tratamento abrangem intervenções cirúrgicas tradicionais, com a abertura do tórax, que substituem a válvula, ou pelo implante transcateter, conhecidos como TAVI, que são menos invasivos e proporcionam maior qualidade de vida ao paciente.

Fontes: Global Heart Club; Nature; Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC)

Ler mais sobre esse tema:

Nossa Agenda

03 a 26 Nov

Saúde do Homem

Exposição 10 anos Novembro Azul no Senado Federal

Local: Senado Federal / Redes Sociais LAL

Horário: A Confirmar